Cabeçalho ADS

Fale Conosco

Camaçari-BA: Vídeo mostra presos por estupro sendo obrigados a fazer sexo na cela


Toda mundo já ouviu a frase “fulano foi preso e vai virar mulherzinha na cadeia”. O ódio ao estuprador faz parte de uma lei não escrita no xadrez. Os presos acreditam que o acusado por estupro é uma ameaça a suas mulheres e filhas que estão lá fora e que o crime é tão vil que a “justiça”, na concepção dos detentos, é feita ainda dentro das celas.

Ao que tudo indica foi o que aconteceu com dois dos cinco detidos pela morte de um casal – a mulher foi estuprada várias vezes – em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador (RMS). Um vídeo que circula nas redes sociais mostra os dois presos sendo obrigados a ter relações sexuais entre si. Segundo a família de um dos acusados, a imagem foi feita por outros presos custodiados na 18ª Delegacia (Camaçari).

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou que os vídeos foram gravados no local e que um inquérito foi aberto para apurar as circunstâncias e responsabilidades do ocorrido.

Daniel Neves Santos Filho, 29 anos, e Carlos Alberto Neres Júnior, idade não divulgada, únicos adultos envolvidos na morte do casal Juvenal Amaral Neto, 57, e Kelly Cristina Amaral, 44 – achado enterrado no quintal da própria casa no dia 8 deste mês – são protagonistas de uma barbárie ocorrida e registrada como troféu dentro do xadrez. A dupla e mais três adolescentes – um deles filho de Carlos Alberto – foram capturados pela polícia no dia 9.

Imagens 
São dois minutos de cenas chocantes. O ambiente degradado, com pichações e mofo, indica ser mesmo uma cela. Nas primeiras imagens, Daniel, de camisa azul, é o primeiro a ser execrado por pelo menos dois outros homens, também custodiados na unidade. Ele é obrigado a praticar sexo oral em Carlos Alberto, que usa uma camiseta branca. Ao fundo, a voz de um homem diz: “fale: ‘eu sou estuprador’” e dá um tapa nas costas de Daniel, que logo em seguida repete: “eu sou estuprador”.

O mesmo homem diz o que acontece ali: “É assim que a gente faz na cadeia”. Ele mesmo manda Carlos Alberto dar uma bofetada no rosto de Daniel e ordena: “Chama ele de safadinha, de gostosinha”. E uma segunda voz no vídeo diz: “Estuprador safado tem que ch... um do outro para se compreender”.

Logo após, é a vez de Carlos Alberto ajoelhar-se à cintura de Daniel, que leva um soco no estômago. “Vai, chama ele de safadinha, dá tapa na cara dele”, diz um dos agressores e Daniel acata as ordens debaixo de mais porrada. E a barbaridade não para por aí. Daniel é obrigado a ficar de costas e abaixar a bermuda, momento em que lava quatro tapas nas nádegas. “Tira a roupa, vai, descarada”, afirma um dos agressores. 

Sofrendo mais agressões físicas, Carlos Alberto introduz a língua no ânus de Daniel, que também apanha. E é chegada a vez de Daniel fazer o inverso. Nessa hora, os agressores, em tom de deboche, cantam em coro um trecho de “Malandramente”, funk de MC Nandinho: “Ah, safada, na hora de levar madeirada...”.
Parentes

A gravação, que foi feita através um aparelho celular, chegou ao conhecimento do irmão de Carlos Alberto.
“Não assisti até o final. É muito forte. Os presos diziam que ‘era assim que fazia com estupradores’. Foi repugnante, colocando um com o outro, fazendo aquelas cenas horríveis”, disse ele ao CORREIO, na manhã desta sexta-feira (12), em frente à 18ª Delegacia. 
Ele, a irmã e uma tia chegaram cedo à unidade policial para pedir que o preso fosse separado dos demais. “Mas quando chegamos aqui, ele não estava”, disse a tia, que logo em seguida assistiu à transferência dos três adolescentes – entre eles, o filho de Carlos Alberto – para a Comunidade de Acolhimento Sócio-Educativo (Case), no bairro de Tancredo Neves, em Salvador.
"Nós não apoiamos o que eles fizeram com o casal, mas o que fizeram com eles também não foi humano. Não eram para colocar eles com outros presos. Tinham que ficar em celas separadas. Deixassem que a Justiça cobrasse deles, não se fazer justiça na própria delegacia”, disse a tia de Carlos Alberto. 
A família não tem dúvida de que as imagens foram feitas de dentro do xadrez da 18ª Delegacia. “Naturalmente, tinha um celular na cela. E como os policiais não viram e ouviram aquilo”, questiona revoltada a tia. “Eles já tinham sido presos e eles (agressores) repetiam: ‘Isso é o que se faz na cadeia com estupradores’. Eles estavam dentro da delegacia, não temos dúvida”, completou a irmã de Carlos Alberto. Antes do crime contra o casal, ele já tinha passagem por outro homicídio. Segundo as investigações, foi ele quem enforcou o casal.

Corregedoria
A família disse que vai levar o caso à Corregedoria da Polícia Civil. “A nossa família vai se reunir e vamos tomar providências. A gente vai na Corregedoria da Polícia Civil. Isso não vai ficar assim”, adiantou o irmão.

A assessoria da SSP informou que o inquérito também vai apurar o uso de celulares por detentos, dentro da unidade policial.

A delegada Maria Tereza, da 4ª Delegacia de Homicídios (DH), em Camaçari, para onde os acusados foram levados logo após serem presos, antes de ser transferidos para a 18ª Delegacia, não quis comentar a divulgação do vídeo, mas afirmou que tinha acabado de chegar do Instituto Médico Legal (IML), onde disse ter descoberto que os envolvidos na morte do casal "praticaram até canibalismo".

A delegada Thais Bandeira, titular da 18ª Delegacia, onde o incidente ocorreu, disse que não vai comentar o caso. (F: Correio24hs *Colaborou Milena Teixeira)
Tecnologia do Blogger.